Ofuscamento: Entenda o que é e como evitá-lo em seu projeto

Ofuscamento

O ofuscamento é algo a ser sempre evitado em todos os projetos de iluminação. Ambientes com excesso de iluminação ou contraste de cores não só são responsáveis pelo desconforto visual, como também trazem malefícios à saúde ocular. 

Por isso, saber exatamente o que é, quais as variações existentes e como evitar esse problema, é essencial para ter um ambiente saudável e acolhedor, seja ele institucional, industrial ou comercial. 

Para te ajudar nessa missão, desenvolvemos este artigo completo, com tudo o que você precisa saber sobre ofuscamento, como evitá-lo e quais as normas regulamentadoras existentes para a verificação. Confira! 

O que é ofuscamento?

Em poucas palavras, o ofuscamento se refere ao alto brilho ou emissão de luz no ambiente, causando incômodo visual. O termo também pode ser aplicado quando há um alto contraste de cores e tonalidades em um mesmo ambiente, gerando perturbações na visão. 

Sabe quando a luz ou o reflexo luminoso do ambiente é tão forte que você precisa tapar os olhos? Esse é o efeito do ofuscamento — além de incômodo, ele pode ser um inimigo da sua saúde ocular. 

Além da saúde ocular, em si, ele apresenta o risco real de prejudicar a saúde cutânea e mental dos colaboradores da empresa, através de níveis de luz elevados e mal direcionados. 

Para entender melhor como evitar essas consequências negativas, é preciso antes analisar o que causa e quais são os cenários possíveis para que ele aconteça.

Também é preciso ter em mente que existem dois tipos de ofuscamento: o direto e o indireto, ou reflexivo. Ambos se baseiam nas mesmas características principais, mas diferem no modo como a luz é refletida. 

Ofuscamento direto

No caso do direto, como o nome sugere, a luz incide exatamente sobre o campo de visão do observador. 

Este é o caso em que somos obrigados a tapar os olhos devido ao desconforto causado pela luz que incide diretamente no nosso panorama. 

Ofuscamento indireto

Em contrapartida, o indireto ou reflexivo acontece quando a luz incide sobre uma superfície e reflete no campo de visão do observador. 

É comum encontrar vestígios de ofuscamento em nosso dia a dia, tanto no formato direto, quanto indireto. Neste último caso, é comum objetos como espelhos ou superfícies de vidro. 

Ambos devem ser evitados em todas as situações e ambientes de trabalho, já que impedem o rendimento total dos funcionários, prejudica a produtividade e, pior ainda, a saúde deles. 

Entenda o Índice de Ofuscamento Unificado

Para medir o nível de luminosidade de um ambiente, existe o Índice de Ofuscamento Unificado, com a sigla UGR (Unified Glare Rating, do inglês). 

Índice de Ofuscamento Unificado

Tendo em mãos todas as informações sobre o ambiente, as lâmpadas e a incidência de luz necessária, é possível realizar o cálculo de UGR e prever a ofuscação, a fim de evitá-la. 

Esse cálculo consiste em uma fórmula um tanto complicada para quem não trabalha diretamente com a área, ou simplesmente não é “fã” de números, cálculos e equações no geral. 

Mas, com a resolução dela, é possível encontrar um padrão, que determinará o grau de ofuscamento de um local. No Brasil, existe uma escala numérica que classifica o quão prejudicial e inaceitável é o nível de iluminação de um ambiente. 

Quanto menores os valores, mais confortável a iluminação será para o campo de visão humano. Porém, quanto mais elevados, mais desconfortáveis e intoleráveis serão. Os números padrão no Brasil, são: 

  • 10;
  • 13;
  • 16;
  • 19;
  • 22;
  • 25;
  • e 28.

Nível de iluminação

De UGR 10 a UGR 19, a intensidade da iluminação é adequada e tolerável. Nos casos em que as luminárias ultrapassa esse valor de 19, a realização do projeto de iluminação irá prever se haverá ofuscamento no espaço. 

Em caso positivo, será feito o planejamento da solução para garantir a viabilidade do projeto e o bem-estar dos funcionários.

Assim, é importante sempre realizar um projeto luminotécnico antes, para tornar possível e assertivo o cálculo de ofuscamento. Esta simples atitude pode evitar muito prejuízo, como:

  • a compra de equipamentos de iluminação inadequados;
  • o desperdício de recursos com luminárias não recomendadas;
  • a desvalorização do ambiente, com uma iluminação que não favorece os móveis, detalhes, cores e composições estéticas do local;
  • o desconforto daqueles que frequentarão o ambiente com regularidade;
  • a possibilidade de causar problemas de saúde ocular aos funcionários (em casos de ambientes industriais) ou aos clientes e consumidores (nos locais comerciais e centros de compras).

O ofuscamento e a classificação das luminárias

Para evitar o ofuscamento, além da equação UGR, é necessário comprar os equipamentos certos, que desempenharão seu papel de modo assertivo. 

Isso é possível com um pouco de conhecimento sobre os 4 tipos de luminárias mais comuns (A, B, C e D) e quando utilizar cada uma, conforme sua capacidade, medida em lux. 

Luminárias A

Esta seleção de luminárias, do tipo A, está relacionada ao uso não prolongado nos ambientes. Isso faz com que seu nível lux ideal seja apenas entre 0 a 100.

Assim, sua aplicação é mais comum em áreas externas, como locais com o pé direito mais alto, estacionamentos, corredores ou ambientes de circulação, e outros utilizados com pouca frequência.

Luminárias B

O grupo B, por sua vez, seleciona ambientes de uso prolongado, com mais tempo de permanência das pessoas. Assim, seu nível de iluminação passa a ser ideal entre 100 e 500 lux

Alguns ambientes como salas de aulas de escolas e universidades, ambientes destinados ao trabalho como escritórios, por exemplo, demandam mais conforto visual, já que os alunos ou funcionários passarão a maior parte do dia nesta área. 

Dessa forma, como o nível de iluminação deve ser em torno de 100 a 500 lux, com esses valores atividades que envolvam trabalhos manuais em fábricas, escritórios e indústrias, podem ser realizadas corretamente. 

Luminárias C

As luminárias do tipo C, em contrapartida, são destinadas a ambientes específicos, especialmente de trabalhos mais delicados, como joalherias, salas de cirurgia, laboratórios, desenhos técnicos e projetos eletro-eletrônicos.

Luminárias D 

Para atingir o conforto visual ideal, nessas situações, é necessário investir em luminárias D que emitem acima de 500 lux, a fim de facilitar o trabalho dos profissionais e garantir o alinhamento com as normas regulamentadoras brasileiras. 

Classe de luminância  Média Considerações
A < 100  (lux) A luminária tem uma média de  luminância baixa e pode ser usada em salas com elevados requisitos anti-reflexo, por ex. escritórios com monitor normal de trabalho.
B 100-350 (lux) A luminária tem média de luminância relativamente baixa e geralmente pode ser usada na maioria das situações. Contra um fundo claro, o risco de reflexo é pequeno.
C 350-500 (lux) A luminária tem uma média de luminância  relativamente alta e deve, portanto, ser usada em ambientes claros para evitar reflexos.
D > 500 (lux) A luminária tem uma média de luminância  elevada. O risco de ofuscamento pode ser grande, mesmo se a luminária for usada em ambientes muito claros. A luminária deve, portanto, ser evitada em salas dentro do campo de visão normal.

O que diz a norma brasileira sobre ofuscamento?

Norma brasileira sobre ofuscamento

Como você pôde notar, cada tipo de ambiente demanda uma iluminação específica, que precisa ser mais ou menos intensa dependendo da ocupação. 

Para orientar essas medições, existem normas brasileiras regulamentadoras específicas, desenvolvidas a fim de estabelecer padrões aceitáveis conforme as atividades desenvolvidas no ambiente. 

Normas como a ABNT NBR 8995-1 demonstram a importância de limitar os índices de ofuscamento para evitar acidentes e erros humanos. 

ISO/CIE 8995-1

A mais adequada, neste caso, é a norma ISO/CIE 8995-1, que desempenha o papel da antiga NBR 5413, atualmente cancelada. Nessa norma, pode ser encontrada a escala de luminância existente, que vai de 20 a 5000 lux. 

Cada grupo de luminárias, como já vimos, apresenta sua posição na escala lux da norma ISO/CIE 8995-1, onde os ambientes mais delicados, que comportam atividades mais específicas, estão mais ao final da escala.

Ainda, existem outras normas essenciais quando o assunto é regulamentação da iluminação e definição de equipamentos adequados para cada segmento do mercado. 

NR-17 e NHO 11

A Norma Regulamentadora 17 (NR-17), por exemplo, está relacionada à ergonomia e bem-estar dos trabalhadores no ambiente em que desempenham suas funções profissionais. 

Junto a ela está a Norma de Higiene Ocupacional 11 (NHO 11), que regulamenta aspectos para a medição dos níveis de iluminação e intensidade luminosa desses ambientes, garantindo o conforto visual e saúde dos funcionários. 

As duas normas tratam de detalhes inerentes a um bom sistema de iluminação, padronizando medidas, equipamentos e índices, a fim de proporcionar o melhor espaço possível para que os operários sejam produtivos e atentos, além de evitar acidentes. 

Alguns dos itens abordados nas duas normas, são:

Este é o guia oficial, que precisa ser considerado sempre que um profissional, como um engenheiro, precise desenvolver um projeto luminotécnico, calculando aspectos como:

  • intensidade da luz no ambiente;
  • nível de iluminamento;
  • cálculo de Índice de Ofuscamento Unificado;
  • indicações de equipamentos e produtos;
  • comparação e definição de viabilidade financeira e outros itens.

Você pode estudar e ter acesso a NHO 11 na íntegra, através do material que preparamos. Basta fazer o download da Norma de Iluminação e ter sempre em mãos para consultar sempre que necessário. 

Ter em mente esses dados e padrões presentes nas normas regulamentadoras pode fazer toda a diferença no desenvolvimento de um sistema de iluminação eficiente. 

A importância de um bom projeto de iluminação para evitar ofuscamento. 

Projeto de iluminação para evitar ofuscamento

Além de evitar o ofuscamento, que além de desconfortável é prejudicial à saúde ocular, um projeto de iluminação de sucesso é capaz de transformar um ambiente, fazendo com que o mesmo tenha sua mobília e decoração destacados. 

Ainda, um bom projeto luminotécnico proporciona a redução do consumo de energia elétrica e a otimização de recursos a curto, médio e longo prazo. 

Afinal, estabelecer boas fontes luminosas, compostas por luminárias duráveis e de qualidade notável evita o desperdício de tempo e dinheiro com manutenções corretivas e trocas periódicas de materiais. 

Mas, é preciso ressaltar que o projeto e os equipamentos precisam ser desenvolvidos e encomendados com empresas de qualidade, como a Luter LED. 

As luminárias que oferecemos, por exemplo, contam com alta durabilidade e garantia, como é o caso da tecnologia de luminárias LED de alta durabilidade. 

É interessante notar que, além de apresentarem 5 anos de garantia, as nossas lâmpadas LED, proporcionam incrível eficiência luminosa e zero risco quanto à qualidade e resistência. 

Vale a pena investir e falar com um de nossos consultores especializados para auxiliá-lo no seu projeto luminotécnico e compra de equipamentos de excelente custo-benefício, especialmente se sua empresa faz parte de um dos segmentos abaixo:

  • Indústrias ou fábricas;
  • Galpões industriais ou estoques e armazéns;
  • Supermercados;
  • Shopping Centers,
  • Escritórios e outros estabelecimentos;
  • Instituições de Ensino.

Leia mais: Fator de Potência: descubra o que é e como calculá-lo

Quais as consequências do ofuscamento de luz em um ambiente?

O ofuscamento de luz não é algo simples, que pode ser deixado de lado e resolvido a qualquer momento. A verdade é que, quanto mais tardia for a identificação e resolução do problema de ofuscação na sua empresa, mais complicados serão os resultados. 

A má iluminação, causada pelo ofuscamento, traz consequências e prejuízos indesejados, como:

  • irritação na retina, causando vermelhidão, dores, lacrimejo, sensação de incômodo e sensibilidade nos olhos;
  • sensação de exaustão visual, quando as pálpebras parecem “ficar pesadas” ou se fechar sozinhas;
  • impacto sobre a produtividade dos funcionários, que podem ficar incomodados com a iluminação a ponto de não conseguirem realizar seu trabalho adequadamente;
  • promoção de irritabilidade e apatia, devido à reação natural do corpo frente à luz e a produção hormonal que ela é responsável;
  • aumenta as chances de acidentes de trabalho, já que o ofuscamento luminoso pode distrair e em casos mais extremos “cegar” temporariamente os funcionários.

Em todos os casos, há o prejuízo real para a saúde dos trabalhadores e ameaça à produtividade, reputação e lucratividade da empresa. 

Afinal, se qualquer uma das hipóteses acima se concretizar, pode acontecer de a instituição precisar pagar indenizações, já que não estava com o esquema de iluminação regularizado conforme as normas oficiais. 

Assim, o melhor a fazer é, desde o início de um projeto, contratar uma empresa especializada, como a Luter LED, para te ajudar com todas as burocracias e detalhes técnicos. 

Evite problemas em projetos de iluminação. Conheça as soluções da Luter LED!

Conclusão

Percebeu como muitos cenários negativos envolvendo o ofuscamento podem ser evitados simplesmente por ter um bom projeto e uma boa orientação profissional? 

É preciso levar a sério todas as regulamentações e padronizações instituídas pelo Ministério do Trabalho. Afinal, a última coisa que sua empresa precisa é de um sistema de iluminação prejudicial à saúde dos membros da equipe. 

Sinta-se à vontade para entrar em contato conosco e solicitar uma avaliação gratuita! Nossa equipe altamente capacitada estará sempre à disposição para ajudá-lo e solucionar suas dúvidas e necessidades. 

We take processes apart, rethink, rebuild, and deliver them back working smarter than ever before.